sábado, 15 de janeiro de 2011

Eu estarei sempre ao teu lado


"E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos" Mateus 28:20.
Dizem que esta história é verídica.

Na Romênia , um homem dizia sempre a seu filho: - Haja o que houver, eu sempre estarei a seu lado.

Houve, nesta época um terremoto de intensidade muito grande, que quase acabou com construções lá existentes nesta época. Estava, nesta hora, este homem em uma estrada. Ao ver o ocorrido, correu para casa e verificou que sua esposa estava bem, mas seu filho nesta hora estava na escola...

Foi imediatamente para lá e a encontrou totalmente destruída. Não restou, uma única parede de pé. Tomado de uma enorme tristeza, ficou ali, ouvindo a voz feliz de seu filho e a promessa que fez a ele e não cumpriu: "Haja o que houver eu estarei sempre a seu lado."

Seu coração estava apertado e sua vista apenas enxergava a destruição. A voz de seu filho e sua promessa não cumprida, o dilaceravam. Mentalmente percorreu inúmeras vezes o trajeto que fazia diariamente segurando a mãozinha de seu filho.

O portão (que não mais existia); o corredor ...Olhava as paredes, olhava aquele rostinho confiante, passava pela sala do 3º ano, virava o corredor e o olhava ao entrar. Até que resolveu fazer em cima dos escombros, o mesmo trajeto. Portão ... Corredor ... Virou a direita e parou em frente ao que deveria ser a porta da sala. Nada! Apenas uma pilha de material destruído. Nem ao menos um pedaço de alguma coisa que lembrasse a classe. Olhava tudo desolado.......

E continuava a ouvir sua promessa: "Haja o que houver, eu sempre estarei a seu lado" E ele não estava... Começou a cavar com as mãos. Nisto chegaram outros pais, que embora bem intencionados, e também desolados, tentavam afastá-lo de lá dizendo: - Vá para casa. Não adianta, não sobrou ninguém .- Vá para casa. Ao que ele retrucava: - Você vai me ajudar? Mas ninguém o ajudava, e pouco a pouco, todos se afastavam. Chegaram os policiais, que também tentaram retirá-lo dali, pois viam que não havia chance de ter sobrado ninguém com vida.

Mas este homem não esquecia sua promessa ao filho, a única coisa que dizia para as pessoas que tentavam retirá-lo de lá era:
- Você vai me ajudar ? Mas eles também o abandonavam.

Chegaram os bombeiros, e foi a mesma coisa...
- Saia daí, não está vendo que não pode ter sobrado ninguém vivo? Você ainda vai por em risco a vida de pessoas que queiram te ajudar pois continuam havendo explosões e incêndios.

Ele retrucava : - Você vai me ajudar?
- Você esta cego pela dor, não enxerga mais nada. Ou então é a raiva da desgraça. - Você vai me ajudar?

Um a um todos se afastavam. Ele trabalhou quase sem descanso, apenas com pequenos intervalos, mas não se afastava dali. 5, 10, 12, 22, 24, 30 horas.

Já exausto, dizia a si mesmo que precisava saber se seu filho estava vivo ou morto. Até que ao afastar uma enorme pedra, sempre chamando pelo filho, ouviu:

- Pai ... estou aqui! Feliz fazia mais força para abrir um vão maior e perguntou:
- Você está bem?
- Estou. Mas com sede, fome e muito medo.
- Tem mais alguém com você?
- Sim ,dos 36 da classe 14 estão comigo estamos presos em um vão entre dois pilares. Estamos todos bem.

Apenas conseguia se ouvir seus gritos de alegria:
- Pai, eu falei a eles: Vocês podem ficar sossegados, pois meu pai irá nos achar. Eles não acreditavam, mas eu dizia a toda hora... "Haja o que houver, meu pai, estará sempre a meu lado"
- Vamos, filho, abaixe-se e tente sair por este buraco.
- Não Pai ! Deixe-os sair primeiro...
Eu sei; que haja o que houver...
Você estará me esperando!

(História Verídica)

Essa história me faz lembrar da promessa de nosso Senhor:"E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos" Jesus Cristo. Haja o que houver, Deus nosso Pai, por intermédio de Jesus seu Filho, em todos os momentos, sempre estará ao teu lado. Nunca se esqueça disso.

Fonte: http://www.adventistas-bereanos.com.br/

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

"CONTINUE A NADAR... CONTINUE A NADAR..."

Quem nunca assistiu o clássico da Disney & Pixar "Procurando Nemo"?

Só eu já assisti umas 20 vezes... e assistiria mais umas 50... sem me cansar e sempre dando gargalhada!!

O filme conta a história de Merlin, pai de Nemo. Marlin está inconsolável pois seu filho foi levado por mergulhadores para o outro lado do oceano. Merlin consegue encontrá-lo com a ajuda de sua nova amiga, Dory.

E é sobre Dory que eu gostaria de falar!

É impressionante como essa "peixinha" azul super simpática com problema de perda de memória recente e bilingue com seu famoso "baleiês" consegue nos passar, na minha opinião, a maior lição do filme: Sua canção favorita: "Quando a vida decepciona, qual é a solução? Continue a nadar, continue a nadar, continue a nadar..."

Joyce Meyer, em seu livro "O Campo de Batalha da Mente" fala sobre "Continuar continuando..."

E minha querida Bíblia em todo o seu conteúdo, de Gênesis a Apocalipse, fala sobre: "Perseverar até o fim"!

Não temos domínio sobre a vida... não temos domínio nem sobre nossas próprias vidas... o máximo que nós temos é o controle de nossas escolhas... Quando nos entristecemos; nos frustramos; ou quando alguma situação ou alguém nos decepciona... quando somos cometidos de alguma mal que não esperávamos... precisamos perseverar até o fim... precisamos continuar continuando...

A atitude da perseverança também é bastante conhecida como FÉ.

"Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos."
(Hebreus 11. 01)

Então, digo sempre a mim mesmo, independente das circunstâncias... Continue! Hoje, digo a você, que me deu o privilégio de visitar meu blog: CONTINUE!

Continue sempre rumo a: "...42, Wallaby way, Sidney..."

Continue a nadar... Continue a nadar...

Continue a nadar...

AUTORA: Aryanne Soares

Jesus Cristo: A Amostra Grátis de Deus

Quase todo o mundo acredita que existe um Ser superior a tudo. Alguém, ou alguma força, que não se limita pelo tempo nem pelo espaço. Quer dizer, Alguém que sempre existiu e vai existir e que está em todo lugar sempre. Um Controlador Geral do Universo, com autoridade e capacidade para proteger ou destruir e cujo poder supera a morte, medo e mistério maior para a humanidade.

Pelo mundo afora, essa Entidade Magnífica recebe diferentes nomes, dependendo da religião ou crença da pessoa. Aqui para nós, o mais comum é referir-se ao Ser Supremo, usando simplesmente a palavra "Deus".

Há quem julgue impossível relacionar-se com Alguém tão infinitamente superior. Por isso, essas pessoas crêem ser necessário contar com a ajuda de divindades intermediárias. Outros não conseguem imaginar um Ser assim tão poderoso e, talvez, inconscientemente, preferem acreditar que os atributos desse Deus único estejam divididos entre várias divindades menores.

O mais triste de tudo é que no pensamento da maioria, Deus parece estar de mal com a humanidade. Muitos acreditam que a ira de Deus precisa ser aplacada, antes que a gente morra ou o mundo acabe. É por essa razão que as pessoas procuram, ou inventam, uma religião. E cada uma, você sabe, ensina um jeito diferente de fazer as pazes com Deus e poder contar com Sua ajuda e proteção.

Pacotes e mais pacotes de velas têm sido acesos por aí. Milhões de cédulas e moedas são entregues todos os dias a homens que se dizem mensageiros de Deus, portadores de Seu poder e de Sua bênção. Nos terreiros, milhares de animais são sacrificados diariamente. Em alguns casos, até vidas humanas ainda se perdem. Despachos e oferendas nas encruzilhadas. Promessas e preces nas igrejas... Vale tudo para tentar conquistar o favor de Deus!

O ser humano criou para si mesmo uma imagem negativa e errônea de Deus e procura apaziguá-la a seu modo. Ao longo da história do mundo, sempre foi assim. E seria até compreensível continuar sendo, se Deus não nos houvesse revelado Seu caráter e Sua vontade através de um homem chamado Jesus Cristo.

O cristianismo autêntico acredita e ensina que Jesus trouxe aos homens toda a verdade a respeito de Deus. Mais que isso: Cristo é o próprio Filho de Deus! Ele se fez humano para viver aqui no mundo e conviver conosco, a fim de que conhecêssemos melhor a divindade. Jesus foi uma espécie de amostra grátis de Deus, o Pai. Mostrou-nos como Ele é e o que espera de nós. Deixou claro como devemos ser e o que devemos fazer para agradar a Deus.

Robson Ramos

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Cura divina?


O sofrimento do próximo causa-nos dor, e quando o próximo é tão próximo (membro da própria igreja), então choramos com ele e com sua família.

Indigna-nos o fato de que, infelizmente, a mentira continue a ceifar muitos corações e mentes. Essa pergunta sempre surge (somos humanos): "E se levarmos a pessoa até o Apóstolo, será que tal pessoa seria curada?" "E se o arrastarmos até aquela tal igreja, o Senhor o curará?"

É trágico, é terrível, é revoltante o que os falsos profetas fazem acreditar, que o "deus deles" é "poderoso", que "há um deus na vida deles" (e não na nossa), que são "profetas de Deus" (e nós falsos profetas). Se acham poderosos, invencíveis, se consideram superdotados pelo Espírito Santo, são os espertalhões da boa-fé popular.

Em cada mil fracassos na esperança de cura eles pinçam um que deu certo (e daria certo em qualquer circunstância, fosse em casa, no hospital, no trem ou na igreja, pois na soberania de Deus Ele iria curar tal pessoa), e o transformam em carro-chefe de suas supostas "credenciais apostólicas", de que lá há cura e há "deus". Outros, mais abundantes ainda, "ganham cachês" para exibirem muletas que nunca usaram, cadeiras de rodas de que nunca precisaram, fracassos financeiros e milagres de prosperidade que nunca aconteceram senão em sua suposta "fé".

Valem-se da dor e da miséria da alma dilacerada pela dor e a utilizam como meio de arrecadação de fundos fazendo da tragédia elemento de propaganda e de divulgação de seus ministérios mentirosos e enganadores.

Meu Deus, como é fácil cair em tentação! Como é fácil trocar a verdade por um mísero prato de lentilhas, por um côvado a mais na existência terrena! Como é fácil negar a fé quando o câncer apodrece os ossos de quem amamos, destrói as imunidades de quem tanto prezamos ou ameaça separar-nos das pessoas de quem gostamos!

Eu desafiei, desafio e desafiarei a TODOS os supostos curandeiros, a acompanharem-me ao hospital do câncer, na ala dos terminais, daqueles que já perderam braços, pernas, órgãos internos, visão, fala, audição, cérebro, a curá-los ALI, TODOS, pelo seu suposto dom apostólico. Nenhum deles até hoje aceitou. E jamais aceitará. O hospital de gente quase morta não é palco para suas performances pirotécnicas de feiticeiros evangélicos. Na verdade o que menos importa é o enfermo; o que mais importa é o que a suposta cura gerará: fama, dinheiro, poder, crescimento do império religioso, egolatria, etc.

Deus cura. E como cura! Suas curas são completas e totais, até que nós cumpramos o Seu propósito. Ele o faz quando quer, como e onde quiser, e utiliza quem quiser para realizá-la, desde que a glória seja dEle, pois não reparte Sua glória com mortal nenhum. Aliás, na ECONOMIA de Deus não há necessidade de toalhinhas, copos com água, arruda, sal, varinhas, rosas, pedras, águas de 7 torneiras ou qualquer outra feitiçaria. Deus cura diretamente no objeto da cura. Afinal, o poder é dEle e não do elemento. E o faz para a glória dEle, não para a glória do orador. E se no passado fez lodo da terra, Ele jamais ensinou a orar com lodo, ou se a sombra de apóstolos curava, nunca o foi porque os apóstolos determinaram, e jamais se utilizaram disso para reivindicar poderes que não tinham. Aliás, eles também adoeciam (e não se auto-curaram).

Se Deus não quiser curar Ele não curará. Ele é soberano. O texto sobejamente utilizado como "legalidade e exigência total para a cura divina", o famoso "colocar Deus na parede" ("Ele levou sobre si as nossas enfermidades") não serviu para Paulo em sua enfermidade ótica, nem para Timóteo em sua enfermidade estomacal, nem para Eparfrodito em sua fraqueza física e nem para todos os cristãos do primeiro século em suas mortes reais (nenhum teve gozo de perfeita saúde para sempre; doutra forma estariam vivos e sadios até hoje). O texto era (e foi) sinal para o período do Ministério do Messias, que qual pastor amoroso, cuidou de Seu rebanho, tratando de suas feridas. E foi dessa forma que o Evangelho o citou, como cumprido ali, em Jesus, em seu ministério messiânico. Ele sofreu as nossas dores, levou as nossas enfermidades (Jesus curava, Jesus consolava, Jesus era de fato o Messias esperado).

Crentes ficam doentes. Neopentecostais ficam doentes. Crentes de qualquer espécie adoecem e morrem. E por quê? Porque "se este tabernáculo terrestre se desfizer" (e ele se desfará quer queiram ou não!), "temos um outro, não feito por mãos, eterno, no Céu". O Reino de Deus não é deste mundo temporário. Este mundo passará. Tudo aqui passará. O que chamamos de nosso hoje será de outros amanhã. Só a alma é nossa, aliás, em termos, pois se não a entregarmos a Cristo, ela será ceifada por Satanás.

Prometer cura aos enfermos é o mesmo que prometer imortalidade aos mortais. O evangelho jamais foi a mensagem de cura para o corpo, mas de salvação para a alma. Se há no decorrer da vida uma cura física - e há muitas! não há promessa específica de imortalidade física, mas há a promessa de imortalidade da alma e da ressurreição dentre os mortos. Fomos enviados a pregar a salvação da alma, não a cura para os enfermos. Devemos orar, clamar, suplicar, implorar a Deus pelos enfermos; mas não devemos transformar um ato intrínseco à fé na própria mensagem da fé. A fé não vem pelo curar, mas pelo ouvir, e o ouvir a Palavra de Deus.

Mentem os que afirmam curar os enfermos. Mentem! Eles também adoecem e morrem! Todos eles irão morrer! Mas dizem a verdade os que pregam a mortalidade do corpo, mas a ressurreição da alma. Se alguém, de fato, é usado por Deus na cura dos enfermos, jamais dirá "eu orarei e Deus curará", mas dirá "eu orarei e suplicarei a misericórdia do Senhor; se Ele o quiser curará". É isso que nos ensina a Escritura Sagrada.

Àqueles que querem crer na mentira Deus permite a operação do erro, já que não dão crédito à verdade. Daí os supostos milagres comprobatórios. Há milagres entre esses mentirosos? Há. Assim como há milagres geradas por supostas imagens milagrosas, pedras esotéricas, espíritos nos médiuns ou poder do pensamento positivo. Entre a Palavra de Deus e um milagre a nossa fé deve estabelecer-se na Palavra de Deus, ainda que contrarie um milagre. Os escolhidos não se enganam com supostas maravilhas. E os escolhidos são os que escolheram crer no Senhor que ressuscitará os mortos incorruptíveis, não que mumificará os mortos corruptivelmente.

De que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro (inclusive a cura de todas as suas enfermidades) se irá morrer e cair no Inferno? Que graça barata foi essa? A de Deus? Jamais.

Como disse John Stott, crer também é pensar.

E eu penso nas coisas lá do Alto, aonde a morte nunca chegará.

Vida eterna. Esse é o âmago.

Pr Wagner Antonio de Araújo



Extraído do blog O Bereano

Batismo em toboágua da "Igreja bola de neve"

Estou completamente cansada, não de Deus, mas de tudo o que se faz em nome dEle. Fizeram as coisas de Deus virar deboche e blafêmea. Onde foram parar os ensinos sobre a Palavra? Onde estão os homens de Deus?

"Não verás mais aquele povo atrevido, povo de fala obscura, que não se pode compreender e de língua tão estranha que não se pode entender." Isaías 33:19

domingo, 2 de janeiro de 2011

A ponta pequena e os três reis arianos